Nenhum resultado foi encontrado.
Confira os termos da sua busca e tente novamente.


Abaixo, alguns dos itens mais buscados:

Ops! Parece que algo saiu errado.
Ocorreu um erro ao fazer a busca.
Por favor, tente novamente em alguns instantes.
Mais buscados
Fundo rosa com um degradê amarelo no centro, remetendo ao Sol. No lado esquerdo está escrito "Osesp duas e trinta".

Voltar

Osesp duas e trinta: Thierry Fischer, Coro da Osesp, Coro Acadêmico e Jay Campbell

Compartilhar
corpo artístico
corpo artístico
corpo artístico
Diretor Musical e Regente Titular
Jay Campbell
violoncelo
Local: Sala São Paulo
Transmissão às 20h30:
Data: sex., 25 de outubro de 2024
Horário: 14:30
Duração: 82 min.
Preço: R$ 39,60 a R$ 0,00
Adicionar ao calendário

Programa

MAURICE RAVEL Bolero ANDREIA PINTO-CORREIA Reverdecer [Coencomenda Osesp e Fundação Gulbenkian - Estreia Latino-Americana] HEITOR VILLA-LOBOS Sinfonia nº 6 – Sobre a linha das montanhas HEITOR VILLA-LOBOS Choros nº 10 – Rasga o coração

Este é um programa que tem tudo para “rasgar o coração” do público, com emoções garantidas do início ao final. Começamos com uma das peças mais amadas pelo público, o Bolero, de Ravel. A obra foi escrita em 1928 a partir de uma encomenda da atriz e bailarina russa Ida Rubinstein, que pediu ao autor uma peça de curta duração baseada em tradições musicais espanholas.

Andreia Pinto Correia é uma compositora lisboeta com carreira consolidada no panorama internacional. É dela uma das encomendas da Osesp nesta Temporada, em parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian. Reverdecer terá o violoncelista californiano Jay Campbell como solista.

A segunda parte é dedicada a Villa-Lobos. O compositor escreveu 12 sinfonias durante um arco de 40 anos; 24 anos separam a nº 5, escrita em 1920, e a nº 6, composta no Rio de Janeiro em 1944. Subintitulada “Sobre as linhas das montanhas do Brasil”, a obra utiliza o processo de “milimetrização” inventado por Villa-Lobos e que procura obter uma melodia a partir de uma imagem: colocando um papel quadriculado transparente sobre uma fotografia, ele usava as linhas verticais para as alturas e as horizontais para as durações, determinando um contorno melódico. Encerramos com o Choros nº 10 – Rasga o coração. A obra utiliza desde cantos indígenas até melodias de uma famosa canção popular de Anacleto de Medeiros e Catulo da Paixão Cearense, num resultado extremamente original e impactante.