Nenhum resultado foi encontrado.
Confira os termos da sua busca e tente novamente.


Abaixo, alguns dos itens mais buscados:

Ops! Parece que algo saiu errado.
Ocorreu um erro ao fazer a busca.
Por favor, tente novamente em alguns instantes.
Mais buscados
Hilary Hahn, mulher branca de cabelo castanho. Ela está sorrindo e segurando um violino.

Voltar

Hilary Hahn toca Sarasate e Ginastera

Compartilhar
corpo artístico
Diretor Musical e Regente Titular
Hilary Hahn
violino
Local: Sala São Paulo
Data: qua., 26 de junho de 2024
Horário: 20:30
Duração: 78 min.
Preço: R$ 39,60 a R$ 271,00
Adicionar ao calendário

Programa

ALBERTO GINASTERA Concerto para violino, Op. 30 PABLO DE SARASATE Fantasia sobre Carmen de Bizet, Op. 25 JOHANNES BRAHMS Sinfonia nº 4 em mi menor, Op. 98

Hilary Hahn é uma das maiores violinistas da atualidade. Reconhecida como intérprete de Bach e ao mesmo tempo uma entusiasta da música contemporânea, Hahn viaja o mundo tocando com prestigiadas orquestras. Nesta Temporada, ela desenvolve um trabalho especial com a Osesp: além de integrar a programação na Sala São Paulo, será a solista da turnê internacional da Orquestra — é o mesmo repertório que fará conosco na Europa que ela interpreta neste programa.

O Concerto para violino de Alberto Ginastera, obra surpreendente e pouco tocada, foi encomendado pela Filarmônica de Nova York e executado pela primeira vez no recém-inaugurado Lincoln Center, em 1963. A peça, gravada por Hahn em seu último disco, mostra um Ginastera longe da linguagem nacionalista e experimentando técnicas como serialismo e microtonalidade. Ela ainda interpreta a Fantasia sobre Carmen de Bizet, do espanhol Pablo de Sarasate, um dos maiores compositores-violinistas do século XIX.

Os concertos também encerram a integral das sinfonias de Brahms, com a de nº 4. Embora representem uma pequena produção em relação à sua obra camerística e mesmo em relação às peças do mesmo gênero de seus contemporâneos, estas obras desfrutam de uma posição importante: são um desafio para as orquestras tanto no equilíbrio geral quanto na qualidade timbrística dos naipes. Ainda hoje, as sinfonias de Brahms são uma espécie de prova por meio da qual o padrão orquestral de um conjunto é julgado.

Excepcionalmente nesta semana, os concertos acontecerão de quarta a sexta, pois sábado, 29 de junho, a Osesp se apresentará, sem Hahn, na abertura do Festival de Inverno de Campos do Jordão.