Nenhum resultado foi encontrado.
Confira os termos da sua busca e tente novamente.


Abaixo, alguns dos itens mais buscados:

Ops! Parece que algo saiu errado.
Ocorreu um erro ao fazer a busca.
Por favor, tente novamente em alguns instantes.
Mais buscados
Xian Zhang, regente sino-americana. Ela é uma mulher amarela de cabelos curtos. Está usando maquiagem leve.

Voltar

Sergei Babayan desvenda as riquezas de Brahms

Compartilhar
corpo artístico
Xian Zhang
regente
Sergei Babayan
piano
Local: Sala São Paulo
Data: qui., 13 de junho de 2024
Horário: 20:30
Duração: 89 min.
Preço: R$ 39,60 a R$ 271,00
Adicionar ao calendário

Programa

ANTON WEBERN Im Sommerwind [No vento de verão] JOHANNES BRAHMS Concerto para piano nº 2 em Si bemol maior, Op. 83 RICHARD STRAUSS Assim falou Zaratustra, Op. 30

Os variados desdobramentos da Primeira Escola de Viena são explorados neste programa, que tem regência da sino-americana Xian Zhang. A maestra, que já esteve à frente da Osesp em 2008, é diretora da Sinfônica de Nova Jersey, nos EUA, e principal regente convidada da Sinfônica da BBC de Gales e da Sinfônica de Melbourne, além de atuar à frente de orquestras como a Filarmônica de Nova York, a Concertgebouw de Amsterdã e a Sinfônica de Londres.

Ao lado de seu mentor Arnold Schoenberg e de seu colega Alban Berg, Anton Webern foi um dos principais representantes do que fi cou conhecido como Segunda Escola de Viena. Im Sommerwind, no entanto, foi escrita em 1904, antes dos estudos de Webern com Schoenberg, e mostra como o jovem compositor de 20 anos havia absorvido as ideias de Wagner, Richard Strauss e Mahler.

Depois de maturar sua Primeira Sinfonia por décadas e escrever a Segunda logo na sequência, Brahms se voltou a outros projetos orquestrais, entre eles, o Concerto para piano nº 2. Mais de 20 anos depois do primeiro, Brahms voltava ao gênero criando uma obra de grandes proporções, alta dificuldade técnica e densidade emocional. Nestas apresentações, caberá ao exímio pianista armênio-americano Sergei Babayan desvendar as riquezas e a complexidade da obra.

O programa se encerra com um dos mais célebres poemas sinfônicos de Richard Strauss, Assim falou Zaratustra, inspirado no tratado filosófico de Nietzsche e que se tornou célebre na cultura pop ao ter sua introdução utilizada na abertura do filme 2001: Uma odisseia no espaço, de Stanley Kubrick.