Nenhum resultado foi encontrado.
Confira os termos da sua busca e tente novamente.


Abaixo, alguns dos itens mais buscados:

Ops! Parece que algo saiu errado.
Ocorreu um erro ao fazer a busca.
Por favor, tente novamente em alguns instantes.
Mais buscados

Integrante da Osesp desde: 2007. Obra favorita: Concerto para violino em Ré maior, de Johannes Brahms.

Natural de Curitiba, no Paraná, a violinista Carolina Kliemann iniciou seus estudos de violino com Edna Ritzmann Savytzky, antes de ter aulas com Hildegard Soboll Martins, Fredi Gerling e Paulo Torres. De 1992 a 2002, estudou com Elisa Fukuda. Sob orientação de Ayrton Pinto, bacharelou-se em violino pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Em 1998, participou do Curso Internacional de Virtuosidade Violinística, onde teve aulas com o violinista italiano Corrado Romano, discípulo de Carl Flesch e George Enescu. Em 2001, participou da masterclass do violinista Roman Nodel, na Escola Estatal Superior de Música e Artes Cênicas de Mannheim, na Alemanha, e no ano seguinte, deu prosseguimento aos estudos de aperfeiçoamento sob supervisão de Bernard Hartog e Axel Gerhardt, também na Alemanha.

Conquistou o 1º lugar no Concurso Nacional de Violino da Orquestra Sinfônica da USP (OSUSP) e no Concurso Nacional de Cordas Paulo Bosísio, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Foi membro da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, da Orquestra Sinfônica da USP (OSUSP), e da Orquestra Experimental de Repertório (OER), de cujo Concurso Jovens Solistas foi vencedora em duas ocasiões. Liderou os segundos violinos da Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo (OFSBC) e foi spalla da Camerata Fukuda e da Orquestra Filarmônica Juvenil da UFPR.

Como solista, apresentou-se diante de quase todos os conjuntos orquestrais nos quais atuou, como a Osesp, a OSUSP, a OER, a Camerata Fukuda e a Orquestra Filarmônica Juvenil da UFPR. Também solou com o Ladies Ensemble.

Participou da Oficina de Música de Curitiba, do Festival de Inverno de Campos do Jordão, do Festival de Artes de Itu e do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz Fora, Minas Gerais. Nesses e em outros eventos, tocou em masterclasses do virtuoso russo Boris Belkin, de Chaim Taub, spalla da Orquestra Filarmônica de Israel, do violinista norueguês Ole Böhn, de Erick Friedman, concertista estado-unidense e ex-aluno de Jascha Heifetz, de Sidney Harth, spalla da Orquestra Filarmônica de Nova York e da Orquestra Sinfônica de Chicago, do violinista americano ganhador do Grammy Elmar Oliveira, do vencedor do Concurso Internacional de Música Rainha Elisabeth da Bélgica de 1985, Nay-Yuan Hu, e do violinista tcheco Zdenek Broz.

Com a violoncelista Maria Luísa Cameron, mantém o Duo Divas, cujo repertório transita por estilos diversos, e por ocasião do encontro internacional Networking Central-Eastern Europe and Latin America, tocou em Viena junto ao Quinteto do Mercosul.

Dos momentos com a Osesp, lembra-se especialmente dos dois concertos de estreia da Orquestra no histórico Carnegie Hall, em Nova York, em 14 e 15 de outubro de 2022, quando, sob a regência de Marin Alsop, apresentaram um repertório de obras variadas e o espetáculo Floresta Villa-Lobos, que combina 75 minutos ininterruptos de música com a projeção de um vídeo imersivo retratando as riquezas da flora e da fauna brasileiras.

Outros músicos