Nenhum resultado foi encontrado.
Confira os termos da sua busca e tente novamente.


Abaixo, alguns dos itens mais buscados:

Ops! Parece que algo saiu errado.
Ocorreu um erro ao fazer a busca.
Por favor, tente novamente em alguns instantes.
Mais buscados
A foto em preto e branco mostra Víkingur Ólafsson, um homem branco com óculos redondos e roupa preta. Ele está com uma mão apoiada no rosto.

Voltar

Víkingur Ólafsson faz sua estreia com a Osesp

Compartilhar
corpo artístico
Christoph Koncz
regente
Víkingur Ólafsson
piano
Local: Sala São Paulo
Data: qui., 25 de abril de 2024
Horário: 20:30
Duração: 86 min.
Preço: R$ 39,60 a R$ 271,00
Adicionar ao calendário

Programa

HEITOR VILLA-LOBOS Bachianas brasileiras nº 1 ROBERT SCHUMANN Concerto para piano em lá menor, Op. 54 ARNOLD SCHOENBERG Pelléas e Mélisande, Op. 5

Um dos mais bem-acabados modelos do Romantismo e as diferentes vertentes do Modernismo musical conversam neste programa que reúne Robert Schumann, Arnold Schoenberg e Heitor Villa-Lobos. O Concerto para piano de Schumann nasceu como uma fantasia dedicada à sua esposa Clara Schumann, uma das mais brilhantes pianistas do século XIX.

Após revisões e a inclusão de um “Intermezzo”, o compositor a concluiu em 1845. Considerado um modelo de concerto para piano do Romantismo, a obra terá solos de Víkingur Ólafsson, islandês que tem se destacado por uma abordagem criativa e original do piano.

Partindo para as vertentes modernas da música de concerto do século XX, é conhecido o papel revolucionário de Schoenberg nesse campo, em especial, por sua criação do dodecafonismo. Antes disso, no entanto, ele escreveu peças tonais nas quais já procurava soluções para os impasses da linguagem musical de sua época. O poema sinfônico Pelléas e Mélisande é uma dessas.

Se no decorrer da carreira Schoenberg optou por explorar novos caminhos, por sua vez, o brasileiro Villa-Lobos — que na juventude acompanhou as inovações harmônicas propostas por franceses e alemães — construiu sua obra numa linguagem que buscava se aproximar das fontes populares para criar uma música nacional. Sua série Bachianas brasileiras é um dos mais conhecidos exemplos dessa prática.

O programa traz ainda a oportunidade de conferir o trabalho do jovem regente austríaco Christoph Koncz, diretor musical da Sinfônica de Mulhouse (França), titular da Deutsche Kammerakademie Neuss am Rhein e principal regente convidado do conjunto Les Musiciens du Louvre.

Baixar notas do programa