Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Temporada 2022
agosto
s t q q s s d
<agosto>
segterquaquisexsábdom
25262728293031
12 3 4 5 67
8 9 10 11 12 13 14
151617 18 19 20 21
222324 25 26 2728
2930311234
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
SEG A SEX – DAS 9h ÀS 18h
NOTÍCIAS






 
A Osesp e a São Paulo Cia. de Dança se apresentam juntas em setembro
08/ago/2022

A Osesp e a São Paulo Cia. de Dança estarão juntas no palco da Sala São Paulo em setembro! Celebrando os 100 anos da Semana de Arte Moderna, o espetáculo “Noite Villa-Lobos” será inteiramente dedicado ao mais modernista dos compositores brasileiros. Com a nossa Orquestra, sob regência de Roberto Tibiriçá, a SPCD apresenta duas coreografias. De Miriam Druwe, teremos Di, inspirada nas telas de Di Cavalcanti e em diálogo com o Choros nº 6.  A segunda delas é do carioca Juliano Nunes, feita especialmente para a ocasião, e tem como trilha a Bachianas Brasileiras nº 8 — consagrado em palcos internacionais, será a estreia de Juliano criando para uma companhia brasileira. O programa também conta com o Choros nº 4, tocado por Luiz Garcia, José Costa Filho e Luciano Amaral (trompas) e Darrin Coleman Milling (trombone baixo), e o Choros nº 5 – Alma Brasileira, interpretado pela pianista Olga Kopylova. Os ingressos já estão disponíveis AQUI.

 

🎼 Noite Villa-Lobos: Osesp, Roberto Tibiriçá (regente) e São Paulo Cia. de Dança

⏰📆 15, 16, 17 e 18 de setembro (quinta e sexta às 20h30, sábado às 16h30 e domingo às 18h)

🗺️ Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16)

🎟️ Ingressos: R$ 50 a R$ 230 (valores inteiros). Garanta o seu AQUI.

 
Coro da Osesp se apresenta em cinco espaços de São Paulo
28/jul/2022

Em agosto e novembro, o Coro da Osesp se apresenta em cinco espaços da capital paulista. O programa percorre o repertório coral das Américas. Tem início nos Estados Unidos, com O Magnum Mysterium de Morten Lauridsen; depois desce para Cuba com Cántico de Celebración de Leo Brouwer; e para Venezuela com Magnificat-Gloria de Alberto Grau. Da Argentina, a música do mestre Astor Piazolla, com Fuego y Misterio. Do Brasil haverá peças de quatro representantes: Heitor Villa-Lobos, Francisco Mignone, Aylton Escobar e Ronaldo Miranda.


Todas as apresentações são gratuitas e as entradas ocorrem a partir de 30 minutos antes do início da apresentação, limitadas às capacidades máximas dos espaços.

 

Para mais informações, acesse AQUI a página de cada concerto.

 

PROGRAMAÇÃO

 

9/ago ter 18h30 | Catedral Anglicana da Santíssima Trindade

10/ago qua 19h | Catedral Metropolitana Ortodoxa

11/ago qui 20h | Igreja Presbiteriana Jardim das Oliveiras

12/ago sex 16h  | Catedral da Sé

19/nov sáb 20h30 | Clube Hebraica

 

CORO DA OSESP

WILLIAM COELHO

LAURIDSEN | O Magnum Mysterium

BROUWER | Cántico de Celebración

GRAU | Magnificat-Gloria

PIAZZOLLA | Fuga y Misterio

VILLA-LOBOS | Bachianas Brasileiras nº 9

MIGNONE | Cateretê

ESCOBAR | Sabiá, Coração de uma Viola

MIRANDA | Suíte Nordestina

 

 

 
Choros Vol. 2 ganhou cinco estrelas da revista australiana Limelight
19/jul/2022

Choros Vol. 2 ganhou mais uma avaliação, agora na revista Limelight. São cinco estrelas (de cinco) ao álbum dedicado a obras concertantes de Camargo Guarnieri. Gravado em 2020, traz a Osesp, regida por Roberto Tibiriçá, na companhia de quatro solistas, cada um executando um dos Choros para seu instrumento. O lançamento apresenta ainda a camerística "Flor de Tremembé".

 

Confira a crítica de Phillip Scott na revista:

 

Choros Vol. 2

Camargo Guarnieri [1907-1993]

Flor de Tremembé – Choro para Instrumentos Solistas e Percussão

Ovanir Buosi (clarinete), Horácio Schaefer (viola), Matias de Oliveira Pinto (violoncelo), Olga Kopylova (piano), Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, Roberto Tibiriçá. Naxos. 2020-2021. Duração: 1h10’. Técnica: 4,5/5

 

Este lançamento, o segundo de dois, contém os Choros de Guarnieri para clarinete (1956), piano (1956), violoncelo (1961) e viola (1975). Todos os quatro abundam em passagens dançantes de alto astral com ritmos latinos sincopados, alternando com música de lirismo pastoral, e geralmente terminam numa atmosfera festiva e carnavalesca.

 

O par posterior, para cordas, é um pouco mais modernista: o compositor chega a empregar uma fileira de 12 tons no concerto para viola, mas sua leveza de toque e exuberância brasileira não são afetadas (Guarnieri odiava música de 12 tons e escreveu artigos sobre o quão não-natural ele a achava – então compôs algumas para provar que podia!). O programa também contém um trabalho inicial para orquestra de câmara, Flor de Tremembé (1937), que é jazzístico com ecos de Gershwin.

 

O disco é ainda mais divertido que o Volume 1. Os músicos estão totalmente em casa com o idioma de Guarnieri: os andamentos de Roberto Tibiriçá são pontuais, os solistas são ótimos, o som de primeira. Este Choros para Clarinete deveriam ser tão populares quanto o Concerto para Clarinete de Copland (que, aliás, foi amigo e benfeitor do compositor nos EUA).

 

Confira a crítica na íntegra AQUI.

 
Em julho, Osesp pega estrada para oito cidades paulistas
29/jun/2022

Em julho, nossa Orquestra pega a estrada rumo a oito cidades do estado. Os concertos – todos eles gratuitos – acontecem em dois blocos de apresentações simultâneas, de terça a sábado, às 20h, e no domingo, às 17h. A Osesp, dividida em dois grupos – regidos por Wagner Polistchuk e Emmanuele Baldini –, irá a Araras, Campinas, Diadema, Espírito Santo do Pinhal, Jundiaí, Lençóis Paulista, Piracicaba e Ribeirão Preto, nos dias 14, 15, 16 e 17 de julho. Os repertórios das oito apresentações incluem obras de Mozart (como movimentos das Sinfonias nº 40 e nº 41), Tchaikovsky, Schumann, Dvorák, Heitor Villa-Lobos (dois movimentos das Bachianas Brasileiras nº 4) e Marcello (como o Concerto em ré menor para Oboé e Cordas, com Layla Köhler como solista).

 

As apresentações fazem parte da série Osesp Itinerante, programa fundado em 2008 que percorre as mais diversas cidades paulistas com uma série de atividades musicais gratuitas, na expectativa de atingir um público que dificilmente teria acesso aos concertos da Orquestra que acontecem regularmente na Sala São Paulo e na capital paulista. Acesse AQUI a página de cada concerto para saber mais sobre o serviço.

 

PROGRAMAÇÃO

 

14 JUL (QUI), 20H, Teatro Polytheama, Jundiaí
15 JUL (SEX), 20H, Teatro Municipal José de Castro Mendes, Campinas
16 JUL (SÁB), 20H, Teatro Estadual de Araras Maestro Francisco Paulo Russo, Araras (distribuição de entradas on-line a partir das 10h30 clicando AQUI e presencial a partir das 19h caso hajam ingressos remanescentes)
17 JUL (DOM), 17H, Teatro Clara Nunes, Diadema (distribuição de entradas presencialmente a partir das 10h)

OSESP

EMMANUELE BALDINI regente
LAYLA KÖHLER oboé
MOZART | Sinfonia nº 40 em Sol Menor, KV 550: Allegro Moderato (1º Movimento)
MARCELLO | Concerto em Ré Menor para Oboé e Cordas (Transcrição de Johann Sebastian Bach)
VILLA-LOBOS | Bachianas Brasileiras nº 4: Prelúdio
TCHAIKOVSKY | Sinfonia nº 6 em Si Menor, Op. 74 - Patética: Allegro molto vivace (3º Movimento)
DVORÁK | Sinfonia nº 8 em Sol Maior, Op. 88: Allegro ma non troppo (4º Movimento)

 

14 JUL (QUI), 20H, Theatro Municipal Dom Pedro II, Ribeirão Preto
15 JUL (SEX), 20H, Teatro Avenida Pinhal, Espírito Santo do Pinhal
16 JUL (SAB), 20H, Teatro Municipal Adélia Lorenzetti, Lençóis Paulista
17 JUL (DOM), 17H, Teatro Municipal Dr. Losso Netto, Piracicaba

OSESP
WAGNER POLISTCHUK regente
ROSSINI | La Gazza Ladra: Abertura
MOZART | Sinfonia nº 41 em Dó Maior, KV 551 - Júpiter: Allegro moderato (1º Movimento)
SCHUMANN | Sinfonia nº 2 em Dó Maior, Op. 61: Scherzo allegro vivace (2º Movimento)
DVORÁK | Sinfonia nº 8 em Sol Maior, Op. 88: Allegretto grazioso (3º Movimento)
VILLA-LOBOS | Bachianas Brasileiras nº 4: Dança (Miudinho)

GIMÉNEZ | La Boda de Luis Alonso: Intermedio

 

 

 
Festival In-Edit: Exibição do documentário "The Condutor", sobre Marin Alsop
21/jun/2022

Nesta sexta e sábado (24 e 25/jun), a Sala São Paulo vai virar – por algumas horas – sala de cinema. Em cartaz, o filme “The Conductor” (2021), de Bernadette Wegenstein, que integra a programação do 14º In-Edit Brasil – Festival Internacional do Documentário Musical. O longa retrata a trajetória da norte-americana Marin Alsop – Diretora Musical e Regente Titular da Osesp de 2012 a 2019, e hoje Regente de Honra da Orquestra – desde seus estudos com Leonard Bernstein até os dias de hoje, ocupando os grandes pódios ao redor do mundo. Os ingressos são gratuitos (dois por pessoa), e já estão disponíveis para retirada.

 

RETIRE SEUS INGRESSOS AQUI.

 

Vale lembrar que, nestes dias, os concertos da Osesp acontecem normalmente – garanta seu lugar e aproveite para emendar o filme com uma sessão de música!

🎥🎬 The Conductor [A Regente] | Bernadette Wegenstein
📆⏰ 24 e 25 de junho (sexta às 18h, sábado às 14h)
🗺️ Sala São Paulo – Praça Júlio Prestes, nº 16
🎟️️ Ingressos gratuitos. 

 
A Osesp lamenta a morte de Gilberto Tinetti
19/jun/2022

A Fundação Osesp lamenta o falecimento do pianista e professor Gilberto Tinetti (1932-2022) ocorrido ontem, dia 18. Artista fundamental para a música de concerto brasileira, Tinetti esteve por inúmeras vezes no palco com a Orquestra, em especial nos anos do maestro Eleazar de Carvalho, e também com o Quarteto Osesp.

 

“O mais bonito de tudo foi ver Gilberto Tinetti acolhido na melhor sala, pela melhor orquestra e pela melhor plateia da cidade. Professor de gerações de pianistas (deu aulas na USP por mais de duas décadas), integrante do Trio Brasileiro desde sua fundação, em 1975, e apresentador há mais de 15 anos de um excelente programa na Rádio Cultura, entre tantas outras atividades, Tinetti é um dos músicos de São Paulo que dão vida digna e lúcida a esta terra perpetuamente em transe”.

Trecho retirado de “Lições dadas pelo professor Gilberto Tinetti”, artigo escrito em 31 de agosto de 2002, por Arthur Nestrovski para a Folha de S. Paulo

 
Matinal com a cantora MARO adiado para o dia 19/jun
10/jun/2022

Em decorrência de problemas de saúde com o grupo, o Matinal com a cantora MARO, que aconteceria neste domingo (12) precisou ser adiado para o dia 19, no próximo final de semana. Todos os ingressos que já foram garantidos serão automaticamente válidos para a nova data, sem necessidade de efetuar troca.

 

Caso queira devolver as entradas, é possível cancelar a reserva escrevendo para o e-mail suporte@byinti.com. Na mensagem, informe nome e CPF usado na operação, além da data do concerto e o número de ingressos que gostaria de devolver.

 
Osesp agora faz parte da RIOS!
09/jun/2022

O mês de junho começou com uma boa notícia para a música clássica nas Américas. Estamos muito felizes em anunciar que a Osesp é uma das 34 orquestras de 15 países diferentes que agora fazem parte da RIOS (Rede Ibero-Americana de Orquestras Sinfônicas), criada em meio às comemorações de 10 anos do Programa Ibermúsicas. Como disse nosso Diretor Artístico, Arthur Nestrovski, a iniciativa é “essencialmente uma plataforma de integração entre as instituições musicais do nosso continente”, um espaço de cooperação que pretende fortalecer mutuamente as orquestras frente a novos desafios, impactando no desenvolvimento de músicos, repertórios, públicos e na educação musical como um todo. Assista ao vídeo de lançamento:

 

 

 
A Osesp é oficialmente uma orquestra carbono neutro!
07/jun/2022

Em parceria com o Amigo do Clima, programa de responsabilidade climática da WayCarbon, foram calculadas as emissões de gases de efeito estufa (GEE) de um ano de atividades da Orquestra, Coro, Quarteto, colaboradores e públicos – em ensaios e concertos, dentro e fora da Sala São Paulo. Ao todo foram mapeadas 335 toneladas de CO2 equivalente. A compensação dessas emissões virou crédito de carbono proveniente de um portfólio variado de projetos nacionais certificados, de plantas de energia eólica, hidrelétrica e biogás, além dos projetos de substituição de combustíveis em frotas e redução de emissões de GEE em aterro sanitário.

 

O anúncio foi feito dia 6 de junho, durante o concerto em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, por Arthur Nestrovski, Diretor Artístico.

 

A apresentação foi transmitida ao vivo no YouTube da Osesp e você pode assisti-la AQUI, até o dia 13 de junho.

 
Choros Vol. 2 ganhou quatro (de cinco) estrelas da revista francesa Diapason
01/jun/2022

Choros Vol. 2  nosso último lançamento pelo Selo Naxos — ganhou quatro (de cinco) estrelas da revista Diapason. Dedicado a obras concertantes de Camargo Guarnieri, o álbum foi gravado em 2020 e traz a Osesp, regida por Roberto Tibiriçá, na companhia de quatro solistas, cada um executando um dos Choros para seu instrumento. O lançamento apresenta ainda a camerística "Flor de Tremembé", para 15 instrumentos solo e percussão.

 

Confira a crítica de Michel Stockhem na Revista:

 

Choros Vol. 2

Camargo Guarnieri [1907-1993]

Flor de Tremembé – Choro para Instrumentos Solistas e Percussão

Ovanir Buosi (clarinete), Horácio Schaefer (viola), Matias de Oliveira Pinto (violoncelo), Olga Kopylova (piano), Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, Roberto Tibiriçá. Naxos. 2020-2021. Duração: 1h10’. Técnica: 4,5/5

 

 

Mozart Camargo Guarnieri, que judiciosamente abandonou seu primeiro prenome, aperfeiçoou-se em Paris com Koechlin. Sua abundante obra para orquestra começa, finalmente, a receber algum reconhecimento, o que se deve, em parte, a John Neschling, responsável por uma gravação integral das Sinfonias (BIS). Além de vários concertos para piano, gravados por Max Barros (Naxos), Guarnieri deixou diversos Choros para instrumento solista e orquestra. Enquanto um volume anterior, gravado em 2019, colocava a excelente Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo sob a direção de Isaac Karabtchevsky, a orquestra é confiada aqui a outro ícone da vida musical brasileira: Roberto Tibiriçá.

 

Moldando as paisagens e tradições brasileiras nas formas do concerto clássico, Guarnieri propôs, nos anos 1950 e 1960, um modelo de choros avesso à variedade caótica exibida por seu predecessor, Villa-Lobos. Esse rigor formal, no entanto, não se traduz em nenhuma uniformidade de estilo, mas resulta em uma música repleta de charme harmônico e habilmente orquestrada. Quando se afasta de seu terreno, caminha em direção ao Norte: é impossível não lembrar de Benny Goodman, na cadenza do charmoso Choro para Clarinete (1956), ou de Gershwin, no (...) Choro para Piano (1956). Uma ruptura de estilo se impõe no fim dos anos 1960, trazendo uma modernidade que oscila entre Hindemith e a Escola de Viena (o interessantíssimo Choro para Viola, 1975). (...) O conjunto dos solistas merece elogios, com uma menção especial a Matias de Oliveira Pinto no convincente Choro para Violoncelo (1961), a melhor faixa do disco.

 

Confira a crítica na íntegra AQUI.

 
Governo do Estado de SP