Temporada 2018
novembro
s t q q s s d
<novembro>
segterquaquisexsábdom
293031 1 2 3 4
5 67 8 9 10 11
121314 15 16 17 18
192021 22 23 24 25
2627 28 29 3012
3456789
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
08
set 2018
sábado 16h30 Coro da Osesp
Coro da Osesp e William Coelho


Coro da Osesp
William Coelho regente


Programação
Sujeita a
Alterações
Giovanni Pierluigi da PALESTRINA
Missa Papae Marcelli: Excertos
Heitor VILLA-LOBOS
Mottetto de G.P.da Palestrina
Prelúdios e Fugas de J.S.Bach
Bachianas Brasileiras nº 9

 

Este concerto conta com recursos de acessibilidade (Áudiodescrição). Para quem utiliza esses recursos, veja como se inscrever aqui. (Para os demais interessados em assistir este concerto, compre aqui)

INGRESSOS
  R$ 57,00
  SÁBADO 08/SET/2018 16h30
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa
GIOVANNI PIERLUIGI DA PALESTRINA [1525-94]
Missa Papae Marcelli: Excertos
KYRIE
GLORIA
CREDO
20 MIN
 
HEITOR VILLA-LOBOS [1887-1959]
Mottetto de G.P. da Palestrina [s/reg]
2 MIN
 
Prelúdios e Fugas de J.S. Bach
PRELÚDIO E FUGA Nº 8 [1932]
PRELÚDIO Nº 14 [1937]
PRELÚDIO Nº 22 [1932]
FUGA Nº 21 [S/REG]
20 MIN
 
Bachianas Brasileiras nº 9
[ARRANJO PARA VOZES]
10 MIN
 
 
Jogo de olhares: leituras e releituras entre passado e presente
Como em um jogo de espelhos, temos dois pilares da composição, um vocal (Palestrina) e outro instrumental (Bach), vistos por meio do espelho de outro gigante, Heitor Villa-Lobos. Como os três dialogam, coexistem e se transformam, é a viagem que faremos neste concerto.
 
 
PALESTRINA
Missa Papae Marcelli: Excertos
 
Giovanni Pierluigi da Palestrina foi sem dúvida uma das principais figuras da música vocal renascentista europeia. Palestrina viveu a maior parte de sua vida em Roma, desenvolvendo uma intensa atividade de compositor, cantor, mestre de capela e professor, famosíssimo e aclamado ainda em vida. Em 1551, o bispo de Palestrina, Giovanni Maria del Monte, foi eleito Papa e Palestrina tornou-se magister cantorum e magister cappellae da Cappella Giulia.
 
Em 1554, Palestrina publicou seu primeiro livro de missas, dedicado ao Papa Júlio III, e em 13 de janeiro de 1555 foi admitido pelo próprio pontífice entre os cantores da capela papal (os mesmos que executavam o famosíssimo Miserere de Allegri) sem pedir o consenso dos próprios cantores, que eram particularmente zelosos de seu privilégio.
 
Após a morte de Júlio III, Marcello Cervini assumiu o reinado por brevíssimo tempo (22 dias), e foi para ele que Palestrina escreveu a Missa Papae Marcelli. Em setembro de 1555, o novo Papa, Paulo IV, obrigou a demissão de todos os cantores casados, entre eles Palestrina.
 
A Missa que ouviremos hoje teve um importante papel na disputa ligada ao Concílio de Trento sobre a relação entre texto e música, era costume cantá-la durante o rito da coroação papal. Depois da Reforma Luterana, alguns bispos que participavam do Concílio de Trento pensaram em retomar o canto litúrgico à exclusiva monodia gregoriana, por meio da qual se julgava que o texto seria mais compreensível. Foi o exemplo da perfeição da Missa Papae Marcelli que convenceu o Concílio que polifonia e compreensão de texto eram conciliáveis.
 
 
VILLA-LOBOS
Mottetto de G.P. da Palestrina
 
Esse é o primeiro olhar de Villa ao passado. A pergunta é: É certo arranjar peças instrumentais em peças vocais. Mas por que modificar uma peça já vocal? E ainda, de um dos símbolos da perfeição vocal como Palestrina? Villa-Lobos modifica a tonalidade, acrescenta articulações, acentos e até coloca uma indicação de tempo que talvez seja quase uma indicação de caráter “andante religioso”. Villa lê o passado e o transforma.
 
 
VILLA-LOBOS
Prelúdios e Fugas de J.S. Bach
 
Estes prelúdios e fugas são joias retiradas da Bachiana do Cravo Bem Temperado, uma coletânea dividida em dois livros de prelúdios e fugas para instrumentos de teclas (sem distinção entre cravo, clavicórdio e órgão), em todas as 12 tonalidades, escrita entre 1722 e 1744. Cada livro contém 24 pares de peças, cada um deles consiste em um prelúdio e uma fuga na mesma tonalidade. O primeiro par é em Dó Maior, o segundo em Dó Menor, o terceiro em Dó Sustenido Maior, o quarto em Dó Sustenido Menor, e assim por diante. O esquema continua seguindo a escala cromática até completar todas as tonalidades maiores e menores. Na época de Bach, era definido “bom temperamento” qualquer sistema de afinação que permitisse tocar em todas as tonalidades, em contraste com o temperamento mesotônico de uso corrente nos séculos XVI e XVII. Os exemplos mais antigos de “bom temperamento” são os descritos pelo organista e teórico musical Andreas Werckmeister, em 1691: foi exatamente Werckmeister a cunhar o termo “Wohltemperierte Stimmung” (afinação bem temperada).
 
Villa-Lobos escolheu alguns desses números instrumentais e os arranjou para coro. Alguns arranjos são bastante fieis ao original, outros são autênticas releituras, em que se pode notar dois gigantes da composição que dialogam e coexistem. Esses incríveis arranjos eram parte do grande projeto de canto orfeônico, uma grande visão de musicalização de todo o país a partir das escolas. Esses arranjos não eram para os estudantes, dada a dificuldade, mas sim para os professores.
 
 
VILLA-LOBOS
Bachianas Brasileiras nº 9
 
Bachianas Brasileiras são uma série de nove composições de Heitor Villa-Lobos realizadas entre 1930 e 1945. Nessas obras, compostas para formações orquestrais de diversas constituições, Villa-Lobos colocou junto música popular brasileira e música clássica no estilo de Bach, com a intenção de realizar uma versão brasileira dos Concertos de Brandenburgo. É a única composição a não possuir um duplo título, mas apenas uma simples indicação formal “prelúdio e fuga” e, por indicação do próprio compositor, pode ser executada por uma orquestra de cordas ou por um coro a capella.
 
VALENTINA PELEGGI é Regente Titular do Coro da Osesp e
Regente em Residência da Osesp 2017-2018.
Tradução de Paulo Geiger