Temporada 2019
agosto
s t q q s s d
<agosto>
segterquaquisexsábdom
293031 1 2 3 4
56 7 8 9 10 11
121314 15 16 17 18
192021 22 23 24 25
262728 29 30 311
2345678
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
01
nov 2015
domingo 16h00 Coro da Osesp
Coro da Osesp: Naomi Munakata


Coro da Osesp
Naomi Munakata regente
Marina Pereira soprano
Solange Ferreira mezzo soprano
Jabez Lima tenor
Fernando Coutinho Ramos baixo-barítono
Dorotéa Kerr órgão


Programação
Sujeita a
Alterações
Francisco MIGNONE
Missa nº 2 em Fá Menor
Felix MENDELSSOHN-BARTHOLDY
Ehre sei Gott in der Höhe
Ave Maria
Te Deum em Ré Maior
INGRESSOS
  R$ 40,00
  DOMINGO 01/NOV/2015 16h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

 

Segundo a psicanalista Marie-France Castarède, “o canto coral celebra momentos importantes: o nascimento, a vida, o amor, a guerra, a glória, o dolo, a morte... Nos corais de hoje, como nos da Grécia antiga, cantamos a confusão, a angústia, o pavor, mas também o prazer e a alegria”.1

 

Francisco Mignone escreveu cerca de 60 obras corais a cappella nas décadas de 1950 e 1960, utilizando na maioria textos populares ou de sua própria autoria. Entre elas, estão sete missas em latim, com cerca de 30 minutos cada, compostas quando o compositor flertava com o serialismo. Um marco importantíssimo na literatura coral brasileira, esta Missa nº 2 é de 1963 e foi estreada em 1967, na Sala Cecília Meireles, no Rio de Janeiro, com a Associação de Canto Coral dirigida por Cleofe Person de Mattos. A obra é dedicada à primeira esposa do compositor, Liddy Chiaffarelli Mignone – pianista, cantora, educadora musical e filha do professor de piano Luigi Chiaffarelli, que foi professor de Guiomar Novaes.

 

Predominantemente linear, segue uma escrita polifônica em que o acorde permanece em segundo plano e a rítmica é assimétrica, provocando com frequência certa flutuação das pulsações. Como disse Adhemar Nóbrega, “um tecido de linhas fluentes, livres, sem peias harmônicas nem rítmicas, de modo que cada trecho da Missa decorre espontaneamente, sem pontos de referência exclusivamente de ordem técnica, mas sim observando apenas a fluência da declamação do texto”.2 Ao final da partitura, o autor anotou: “No céu há uma estrela a mais à minha espera, para ela esta missa (11-07-63)”.  

 

No século xix, os princípios de composição vocal polifônica estabelecidos no século anterior pelo tratado Gradus ad Parnassum, de Johann Joseph Fux, foram tomados como base estilística por muitos compositores, mantendo viva a tradição renascentista. Em sua obra coral, Mendelssohn utiliza esses princípios, operando uma verdadeira síntese entre os estilos de Bach e Johann Kirnberger, a técnica de Palestrina e os corais luteranos. A obra sacra de Mendelssohn está entre suas criações de mais alto nível composicional, muitas das quais escritas para a liturgia da Catedral de Berlim ou para performances em ambiente secular, como a Academia de Canto. Sua excelência na escrita para várias partes ou para formações policorais é notória.

 

O solene “Te Deum”, composto entre 1826 e 1833, é rico em contrapontos. “Ehre sei Gott in der Höhe” [Glória a Deus Nas Alturas] faz uso variado de texturas, como o uníssono, a antífona e os solos, com uma variação de dinâmica igualmente ampla. O texto torna-se mais claro com as mudanças de tempo que privilegiam sua compreensão.

 

Na “Ave Maria”, de 1830, o compositor combina a textura polifônica e o estilo lírico contemporâneo, num coral a oito partes, com uma radiante criatividade. Mendelssohn era de origem judaica, mas sua família havia se convertido ao protestantismo, e um crítico disse com entusiasmo que sua peça falava tão convincentemente da santidade de Maria que poderia converter até um não católico. 


MARCOS CÂMARA DE CASTRO é professor de Canto Coral do Departamento de Música da Faculdade de Filosofi a, Ciências e Letras da USP de Ribeirão Preto. 


1. Citado em Mariz, Vasco (org.). Francisco Mignone: O Homem e a Obra. Rio de Janeiro: Eduerj/ Funarte, 1997, pp. 121-9.
2. Citado em Kiefer, Bruno. Mignone: Vida e Obra. Porto Alegre: Movimento, 1983, pp. 79-80. 

 

 

PROGRAMA 


FRANCISCO MIGNONE [1897-1986]
Missa nº 2 em Fá Menor [1963]

20 MIN


FELIX MENDELSSOHN-BARTHOLDY [1809-47]
Ehre sei Gott in der Höhe [Glória a Deus Nas Alturas] [1846]
4 MIN


Ave Maria [1830]
4 MIN


Te Deum em Ré Maior [1826-33]
30 MIN