Temporada 2019
junho
s t q q s s d
<junho>
segterquaquisexsábdom
27282930311 2
345 6 7 8 9
10 1112 13 14 15 16
1718 19 20 21 22 23
242526 27 28 29 30
1234567
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRÓXIMOS CONCERTOS
Mikhail GLINKA
Ruslan e Ludmila: Abertura
Pyotr Il'yich TCHAIKOVSKY
Eugene Onegin: Vi mnye pisali - Kogda bi zhizn
Pique Dame: Ya vas lyublyu
Alexander BORODIN
Nas Estepes da Ásia Central
Pyotr Il'yich TCHAIKOVSKY
Iolanta: Kto mozhet sravnit'sja s Matil'doj moej
Alexander BORODIN
Príncipe Igor: Ária
Pyotr Il'yich TCHAIKOVSKY
Sinfonia nº 4 em Fá Menor, Op.36
Gustav MAHLER
Sinfonia nº 8 em Mi bemol maior - Sinfonia dos Mil
Cláudio SANTORO
Impressões de uma Usina de Aço
Johannes BRAHMS
Sinfonia nº 1 em Dó Menor, Op.68
Robert SCHUMANN
Arabesque em Dó Maior, Op. 18
Fantasia em Dó Maior, Op.17
Frédéric CHOPIN
Improviso nº 2 em Fá sustenido maior, Op.36
Mazurka em Lá Menor, Op.17 nº 4
Mazurka nº 25 em si menor, Op.33 nº 4
Noturno nº 18 em Mi maior, Op.62 nº 2
Polonaise em Dó Sustenido Menor, Op.26 nº 1
Barcarola em Fá sustenido maior, Op.60
Ludwig van BEETHOVEN
Sinfonia n° 5 em Dó Menor, Op.67
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
16
mar 2019
sábado 19h30 Semana Camargo Guarnieri
Semana Camargo Guarnieri
MAIS DATAS 14 mar 19  


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Isaac Karabtchevsky regente
Claudia Nascimento flauta
Davi Graton violino
Alexandre Silvério fagote
Olga Kopylova piano


Programação
Sujeita a
Alterações
M. Camargo GUARNIERI
Choro para Flauta e Orquestra de Câmara
Choro Para Violino e Orquestra
Choro Para Fagote e Orquestra
Seresta Para Piano e Orquestra de Câmara
INGRESSOS
  Gratuito
  SÁBADO 16/MAR/2019 19h30
 

Distribuição gratuita de ingressos a partir das 10h do dia 14 de fevereiro de 2019, pela internet ou nos totens localizados no piso térreo da Sala São Paulo. Ingressos limitados a quatro por pessoa. 
Devido à grande procura, recomendamos que verifique se há disponibilidade de ingressos.

 

Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

ORQUESTRA SINFÔNICA DO ESTADO DE SÃO PAULO — OSESP
ISAAC KARABTCHEVSKY regente
CLAUDIA NASCIMENTO flauta
DAVI GRATON violino
ALEXANDRE SILVÉRIO fagote
OLGA KOPYLOVA piano

CAMARGO GUARNIERI [1907-93]
Choro Para Flauta e Orquestra de Câmara [1972]
- CALMO (ATTACCA)
- SCHERZANDO (ATTACCA)
- CALMO
12 MIN

 

Choro Para Violino e Orquestra [1951]
- ANDANTE (ATTACCA)
- CALMO (ATTACCA)
- ALLEGRO RITMADO
16 MIN

 

Choro Para Fagote e Orquestra [1991]
- IMPROVISANDO
- CALMO
- ALLEGRO
11 MIN

 

Seresta Para Piano e Orquestra de Câmara [1965]
19 MIN

 

O Brasil e o mundo, segundo Guarnieri

 

Mozart Camargo Guarnieri nasceu em 1907 em Tietê (SP). O pai, imigrante italiano e entusiasta da música, não só batizou os filhos homens em homenagem a grandes compositores (Mozart, Verdi, Rossine e Belline — assim mesmo, com “e”), como não hesitou em mudar para a capital em 1922, buscando melhor orientação para o talento do filho mais velho, que aos 13 anos já ensaiava suas primeiras composições.


Em São Paulo, Guarnieri conheceu Mário de Andrade em 1928, ano em que o poeta publicou o Ensaio Sobre a Música Brasileira, obra que se tornou referência estética no cenário musical de nosso país. [...] A chamada Escola Nacionalista Brasileira surge em decorrência desse encontro. Além de compor com essa orientação estética, Guarnieri também exerceu sistematicamente o ensino da composição, formando algumas gerações de compositores.


Dentre as ideias propostas por Mário de Andrade está a questão do abrasileiramento do ato de compor e de pensar a música de acordo com a realidade nacional. [...] Tal idealização nacionalizada foi incorporada em muitas obras de Guarnieri. O título das obras e dos movimentos muitas vezes expressa sua intenção de fazer referência à cultura musical brasileira, mesmo que a linguagem musical não o faça diretamente: seus Choros para instrumento solista e orquestra não são adaptações diretas do gênero popular. Guarnierijustifica o título dizendo que: “Choro está substituindo Concerto”.

 

Em 1950 Camargo Guarnieri publicou uma Carta Aberta Aos Músicos e Críticos do Brasil, defendendo os “verdadeiros interesses da música brasileira”. Nessa defesa, a carta ataca veementemente a “orientação atual da música dos jovens compositores que, influenciados por ideias errôneas, se filiam ao dodecafonismo” (1) [...].


Há controvérsias quanto à motivação que teria levado Guarnieri a publicar a Carta, e até mesmo quanto à sua autoria (2) [...]. Suspeita-se que a Carta seria uma manifestação de apoio incondicional ao mentor Mário de Andrade, falecido em 1945.
Obras como o Choro Para Violino e Orquestra (1951) trazem essa questão adicional além do dado puramente musical, como se fosse uma espécie de manifesto sonoro daquelas ideias [...].


É notável como o próprio Guarnieri se encarrega de desmentir, ou ao menos reduzir, a importância do teor da Carta; as obras da década de 1960 são exemplarmente contraditórias, como a Seresta Para Piano e Orquestra de Câmara, “[...] caracterizada pela libertação quanto ao nacionalismo e ao tonalismo harmônico [...]”, nas palavras do crítico Caldeira Filho à sua estreia, em 1965 (3) [...].


Desse modo, Guarnieri passou a flexibilizar a expressão de elementos nacionais, mesclando-os livremente com outras informações tomadas de empréstimo da chamada corrente “universalista”. O Choro Para Flauta e Orquestra (1972) flerta livremente com alguns procedimentos caros ao dodecafonismo, porém tratados com liberdade e a serviço da linguagem pessoal do compositor, que emprega até mesmo um cravo para obter uma sonoridade neobarroca na segunda parte da obra. Essa dicotomia ainda está presente no Choro Para Fagote e Orquestra de Câmara (1991), apesar de ser uma das últimas obras de Guarnieri, que morreu cerca de um ano e meio antes de sua estreia, em julho de 1994 [...].

 

As características do estilo guarnieriano podem ser compreendidas a partir de sua autodefinição: “[...] a forma é minha alucinação. Isto não quer dizer que ela me prende, ao contrário, uso-a a serviço de minha imaginação e expressão”.(4) De fato, o aspecto formal é algo bastante saliente na sua música, perceptível pela escuta. Em linhas gerais, a organização se mantém em torno do desenho ternário do tipo A-B-A [...].


O gosto pela música de origem popular estabelece dois modos de expressão típicos de Guarnieri: o estilo “rude”, no qual o compositor cria blocos rítmicos justapostos com violência, e o estilo “calmo”, cujas melodias mais amplas criam paisagens sonoras densas e carregadas de emoção [...].


O conjunto da obra guarnieriana é um patrimônio de riqueza incalculável para a cultura brasileira. É auspicioso o projeto desenvolvido pela Osesp no sentido de tornar esse repertório cada vez mais acessível a um grande público, dentro e fora do Brasil; essa música que, sendo tão regional, é por isso mesmo tão grandiosamente universal e capaz de comunicar e interligar o que de mais humano trazemos dentro de nós, nossa terra, nosso lugar no mundo. Nesse sentido, a música de Guarnieri atinge o mesmo plano que Fernando Pessoa — na voz do heterônimo Alberto Caeiro — atribui aos rios:

 

[...] poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso, porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
(5)

 

(1) Guarnieri, apud KATER, Carlos. Música Viva e H. J. Koellreutter: Movimentos em Direção à Modernidade. São Paulo: Atravez, 2001. p. 119.
(2) SILVA, Flávio. Camargo Guarnieri e Mário de Andrade. Latin American Music Review, v. 20, n. 2, p. 194, 1999.
(3) Caldeira Filho, apud SALLES, Paulo de Tarso. Aberturas e Impasses: a Música no Pós-Modernismo e Seus Reflexos no Brasil, 1970-1980. São Paulo: Ed. Unesp, 2005. p. 169.
(4) Guarnieri, apud TACUCHIAN, in SILVA, Flávio (org.). Camargo Guarnieri: o Tempo e a Música. São Paulo: Imprensa Oficial, 2001.
(5) PESSOA, Fernando. O Guardador de Rebanhos. In: Fernando Pessoa, Obra Poética. Rio de Janeiro, Aguilar, 1986. p. 217.

 

PAULO DE TARSO SALLES
é professor de teoria musical na USP, coordenador do Simpósio Villa-Lobos (USP) e editor da Revista Música (USP). Autor de Aberturas e Impasses — o Pós-Moderno na Música e seus Reflexos no Brasil — 1970-1980 (Ed. Unesp, 2005), Villa-Lobos — Processos Composicionais (Ed. Unicamp, 2009) e Os Quartetos de Cordas de Villa-Lobos: Forma e Função (Edusp, 2019).